Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

PATRIMÔNIO CULTURAL

Dez ações pernambucanas são finalistas do 33º Prêmio Rodrigo Melo Franco

Anunciadas nesta última quarta-feira (12) pelo Iphan, as iniciativas estão na corrida para a final com mais de 100 participantes que atuam em todo o país

Divulgação

Divulgação

O Movimento Canavial é uma das ações pernambucanas que estão concorrendo à final

Pernambuco fez bonito nesta 33ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade e vai concorrer à final com dez ações: Atividade Permanente da Sala Imbalança – Centro Cultural Cais do Sertão (Categoria 2 – Patrimônio Imaterial); Festival Boi Voador (Categoria 2 – Patrimônio Imaterial); Hora do Frevo (Categoria 2 – Patrimônio Imaterial); Memória é Nosso Forte (Categoria 1 -Patrimônio Material); Movimento Canavial (Categoria 2 – Patrimônio Imaterial); Patrimônio, por Eles Mesmos – Canal Babau e o registro de Salvaguarda do Mamulengo de Pernambuco – Patrimônio do Brasil (Categoria 2 – Patrimônio Imaterial); Projeto Pátio Criativo (Categoria 1 – Patrimônio Material); Projeto Serra das Russas – Pernambuco (Categoria 1 – Patrimônio Material); QR CODE: a tecnologia a favor da difusão do patrimônio cultural do Recife (Categoria 1 – Patrimônio Material); Recife Exchange Holland: Ilha de Todos. Conservação Urbana do Patrimônio Cultural na Ilha de Antônio Vaz – Recife (Categoria 1 – Patrimônio Material).

Considerado como a maior premiação nacional no campo do patrimônio cultural, o Prêmio Rodrigo de Melo Franco é promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1987, e tem como objetivo valorizar aqueles que atuam em favor da preservação dos bens culturais do país. Os finalistas de cada estado foram anunciados nesta última quarta-feira (12) e, além das dez iniciativas pernambucanas, estão na corrida para a final 111 participantes que atuam em todo o país. Confira aqui a lista com todos os candidatos.

Em 2020, com a inovação das inscrições online, houve um recorde de inscrições, com 515 ações participantes. Desde que passou a contemplar ações externas ao Iphan, em 1994, já são 175 vencedores em todo o país. Agora, na etapa nacional, serão selecionadas 12 ações no campo do Patrimônio Cultural Brasileiro. Cada premiado receberá o valor de R$ 20 mil.

As ações finalistas foram selecionadas pelas Comissões Estaduais, compostas por representantes das diferentes áreas culturais de cada Estado, presidida pelo superintendente. Essas ações serão analisadas pela Comissão Nacional de Avaliação, formada pela presidência do Iphan e por 21 jurados que atuam nas áreas de preservação ou salvaguarda do Patrimônio Cultural. A reunião da Comissão Nacional de Avaliação, que ainda está sem data definida, deverá ser realizada virtualmente, em função da pandemia do novo coronavírus. O resultado final do concurso deverá ser divulgado até o dia 30 de agosto de 2020, no site do Iphan. Para saber mais, acesse: portal.iphan.gov.br/premiorodrigo.

33º Prêmio Rodrigo Melo Franco
Reconhecido mundialmente pela sua diversidade cultural, o Brasil é um país que condensa a influência de vários grupos na formação de uma identidade nacional. Por isso, o edital da 33ª edição do Prêmio Rodrigo trouxe novos segmentos na premiação, visando a atender a uma maior gama de ações que já acontecem em todo o território nacional. Nessa edição, o Prêmio Rodrigo traz duas grandes categorias:

Categoria 1 – Iniciativas de excelência no campo do Patrimônio Cultural Material
Categoria 2 – Iniciativas de excelência no campo do Patrimônio Cultural Imaterial

SEMANA DO PATRIMÔNIO CULTURAL DE PERNAMBUCO VENCEU A 31ª EDIÇÃO
Criada em 2008, pela Secult-PE/Fundarpe, a Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco recebeu a 31ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, na Categoria 2 – Iniciativas de Excelência no campo do Patrimônio Cultural Imaterial.

Instituída para ampliar o diálogo entre a instituição e a sociedade, com foco na temática da preservação do patrimônio cultural do Estado, a iniciativa é realizada há 11 anos e, dentre os objetivos, visa promover a preservação e valorização das tradições e conhecimentos dos municípios pernambucanos envolvidos na ação, que acontece anualmente em agosto.

< voltar para home