Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

PATRIMÔNIO CULTURAL

Mestres do mamulengo compartilharam saberes na VIII Semana do Patrimônio

Encontro realizado no Sobrado do Imperador, em Igarassu, também contou com a apresentação do Mamulengo Riso do Povo, do Mestre Zé de Vina.

Costa Neto

Costa Neto

Mestre Vitorino, de Igarassu, contou um pouco de sua trajetória ao longo dos 50 anos dedicados a arte do mamulengo.

Por: Roberto Moraes Filho

Promovendo um encontro de gerações em meio à 8ª Semana do Patrimônio, o Sobrado do Imperador, no centro de Igarassu, recebeu na tarde de quinta-feira (20), uma animada roda de conversa com o brincante de mamulengo, Mestre Vitorino. No auge dos seus 92 anos, José Vitorino Freire repassou para crianças, adolescentes e adultos, a sua experiência com a arte de confecção e interpretação dos tradicionais bonecos, com os quais teve o seu primeiro contato aos 8 anos de idade.

“A primeira lembrança da minha infância, que guardo até hoje, foi uma apresentação do Mamulengo de Mané da Luz, o único atuante na cidade de Paudalho e região naquela época. Os bonecos eram manuseados por dois homens e uma mulher. Lembro que depois daquele contato, sempre passei a acompanhar as apresentações do espetáculo nas feiras, ruas ou festas de final de ano. Aquilo me impressionava especialmente pela sintonia de um personagem com o outro, quando causavam improvisos durante a apresentação”, recordou o mestre, que possui 50 anos dedicados à tradição, quando passou a residir em Igarassu.

“A grande lição que aprendi foi que não é saber a brincadeira, é não ter preguiça para compor novos personagens e novas histórias. Eu tenho uma grande saudade de quando brincava de mamulengo com os meus irmãos. Brincávamos a noite toda e o enredo envolvia a igreja, o cavalo marinho e o bumba meu boi. O boneco e a brincadeira vem de quando minha mãe era rezadeira. Hoje eu não lembro mais os cânticos que ela cantava, mas não esqueci as experiências de criação e interpretação na minha infância”, completou.

Costa Neto

Costa Neto

Crianças, adolescentes e adultos acompanhando os relatos do mestre de mamulengos, no Sobrado do Imperador, em Igarassu.

Durante a roda, que também contou com as presenças do Mestre Zé de Vina, de Glória do Goitá, e do Mestre Tonho, de Pombos, as experiências em espetáculos realizados ao ar livre, como era antigamente, em cima de mesas e não com as conhecidas tendas de atualmente, Mestre Vitorino relatou encenações que fez em feiras de Igarassu, exemplificando mortes, festividades e outras situações relacionadas ao regionalismo que inspira a composição de uma apresentação de mamulengo. “Quem traz a história é o boneco. As situações vividas entre os personagens devem contar especialmente com música e poesia, que geralmente são inspiradas nas vivências de quem domina aquele boneco”, disse o mestre.

E lembrando um pouco das dificuldades iniciais que passou a vivenciar para prosseguir com a tradição pela qual se apaixonou na infância, ele relatou: “Carregava meus mamulengos em duas malas, andando a cavalo. Botava o boneco numa mesa e incorporava aquele personagem criado por mim. Somente bem depois foi que eu adotei o estilo mais teatral, realizado em uma tábua apropriada para a apresentação”.

Com a finalização da realização da roda, os participantes foram contemplados com a apresentação de Wilams, filho do Mestre Vitorino, que interpretou ao som de violão, a composição ‘Homenagem a Vitorino’, falando em poemas e vivências da arte do pai, e definindo em versos o que o mamulengo representa para a sua vida e sua família, conhecida em Igarassu também pela tradição da música.

Costa Neto

Costa Neto

Apresentação do Mamulnego Riso do Povo.

Encerrando a tarde de atividades no Sobrado do Imperador, o público conferiu a apresentação do Mamulengo Riso do Povo, comandado pelo Mestre Zé de Vina, de 75 anos. Originado na cidade de Glória do Goitá, o grupo possui além de quinze personagens, interpretados por uma equipe de seis integrantes, um espetáculo composto por músicas regionais, ao som de zabumba, sanfona, triângulo e chocalho. “O espetáculo do meu mamulengo acontece segue uma única forma, mas adotamos diversos improvisos no momento que ele acontece”, disse o Mestre Zé de Vina, que iniciou a formação do grupo no ano de 1952.

Costa Neto

Costa Neto

Público durante a apresentação, no pátio do Sobrado do Imperador.

 

< voltar para home