Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Povos Tradicionais e Populações Rurais

Castainho recebe casal de palhaços do grupo Teatro Mototóti (RS)

Crianças e artistas interagiram antes mesmo do espetáculo começar.

Leo Caldas / Secult-PE

A comunidade quilombola Castainho recebeu o grupo Teatro Mototóti, do Rio Grande do Sul, no final da tarde de quinta-feira (23/07). Antes mesmo do espetáculo começar, a interação entre os artistas e as crianças já acontecia. Enquanto a Fernanda Beppler fazia sua maquiagem, Carlos Alexandre interagia e cantava para a meninada que ansiosa aguardava a apresentação. Na passagem de som, Fernanda aproveitava e ensinava músicas gaúchas para o público infantil. Com a participação no 25ª Festival de Inverno de Garanhuns, Castainho entra no mapa de circulação do Teatro Mototóti de maneira especial, já que as crianças quilombolas não costumam ter acesso ao teatro com facilidade e a dupla de artistas nunca tinha se apresentado numa comunidade quilombola. O grupo gaúcho já passou por  Pernambuco, durante o Palco Giratório no Recife, e pelos estados de Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Espírito Santo e Tocatins, além de cidades uruguaias e argentinas. O festival é realizado pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Cultura e Fundarpe.

Leo Caldas / Secult-PE

No espetáculo “Flor da Vida”, Fernanda e Carlos vivem um casal de palhaços, Thalia e Charles, que contam sua própria trajetória, com direito a música e gaita ao vivo. A dupla apresenta a “Flor da Vida”, uma mandala com diversos círculos que se entrelaçam e se expandem. Cada círculo representa uma história, mostrando as múltiplas possibilidades da vida. Neste caminho, o casal de palhaços conta a sua história, que envolve paixão, em seguida um casamento, a rotina de serviços domésticos, as dificuldades financeiras e o sonho de criar um espetáculo. Com “Flor da Vida”, a dupla recebeu o Prêmio Funarte de Artes na Rua 2013, do Ministério da Cultura.

As primas Íris da Silva Andrade e Érica da Silva, ambas com 9 anos, assistiram atentas a apresentação e deram boas risadas. Questionada sobre o que mais gostado do espetáculo, Íris diz timidamente “eu gostei de tudo”. Íris e Érica são da comunidade quilombola de Estrela e participaram de oficina de dança afro durante o FIG. Antes de ver os artistas encenam, eram elas que estavam aprendendo novos passos. William Guga, 9 anos, da comunidade de Castainho, também curtiu a apresentação do Mototóti e estava entusiasmado após participar da oficina Jogos e Brincadeiras. Todos as crianças ao final da encenação receberam um cartão ilustrado como lembrança do grupo gaúcho. Mais um gesto afetuoso do Mototóti com as crianças de Castainho.

Durante o Festival de Inverno, Castainho recebe crianças, adolescentes e jovens de outras comunidades quilombolas – Estrela, Timbó, Tigre, Estiva, Caluête – que aproveitam as oficinas de dança, percussão e jogos e brincadeiras.

< voltar para home