Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Povos Tradicionais e Populações Rurais

Exposição na Caixa Cultural celebra Patrimônios Imateriais Brasileiros

Mostra apresenta 36 bens imateriais, dentre os quais, cinco representam Pernambuco: a Feira de Caruaru, o Frevo, Os Maracatus Nação e de Baque Solto e o Cavalo Marinho

A exposição Patrimônio Imaterial Brasileiro – Celebração Viva da Cultura dos Povos chega à capital pernambucana nesta semana. A mostra, que fica em cartaz na Caixa Cultural até o dia 31/5, revela riquezas culturais de Norte a Sul do país, caracterizadas como imateriais e registradas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), ao longo de 14 anos. A abertura acontece quarta-feira (22), às 19h30, e a visitação gratuita vai de 23 de abril a 31 de maio, inaugurando o horário ampliado de visitação à Caixa Cultural, que passa a ser de terça a sábado, das 10h às 20h, e aos domingos, das 10h às 17h.

Compõem a mostra 36 patrimônios, que tem algumas peças cedidas por vários museus do país, além de textos, fotos, vídeos, músicas e sons. As três dimensões dos bens imaterial estarão contempladas: os povos que construíram a identidade do brasileiro – imagens de índios, portugueses, italianos, africanos, japoneses e alemães, cujos traços estão miscigenados na população brasileira, que cria e recria suas manifestações culturais; as paisagens, que são as imagens de cidades, aldeias, sítios históricos, cachoeiras e praias que formam o rico patrimônio natural do país; e os ofícios, saberes e fazeres do povo brasileiro, representados na pintura, no tear, na dança a gastronomia, etc. Os povos e as paisagens serão apresentados num mesmo espaço. Na sequência da visita, o público contemplará os ofícios.

Pernambuco terá cinco bens imateriais em exposição: a Feira de Caruaru, o Frevo, Os Maracatus Nação e de Baque Solto e o Cavalo Marinho. O Teatro de Bonecos Popular do Nordeste, o mais recente bem cultural registrado pelo Iphan (março 2015), também marca presença, ao lado de patrimônios nacionais, regionais e estaduais. São lugares, formas de expressão, saberes e ofícios transmitidos e renovados de geração em geração, como o ofício das Baianas do Acarajé, apresentado por meio dos ingredientes usados para o quitute e do tacho onde é feita a massa. “O patrimônio não é o bolinho, mas tudo o que está envolvido na preparação, é essa imaterialidade que queremos passar para as pessoas”, explica o historiador e curador do projeto Luciano Figueiredo.

“O público poderá ver o barro usado para fazer a panela da moqueca, o processo de confecção, o significado desse trabalho e entender o saber envolvido na elaboração desses bens, como as bonecas Karajás, o próprio acarajé, uma festa religiosa ou mesmo a importância de uma cachoeira mítica”, revela Figueiredo, comentando que a maioria dos brasileiros não tem conhecimento sobre esses bens imateriais.

A exposição foi idealizada pela relações públicas Fernanda Pereira, pela pesquisadora Mirna Brasil Portella e pelo produtor cultural Luiz Prado. Antes de chegar a Recife, a exposição “Patrimônio Imaterial Brasileiro – A Celebração Viva da Cultura dos Povos” esteve em cartaz na Caixa Cultural do Rio de Janeiro, de Fortaleza e de Salvador.

Confira um teaser da exposição:

Serviço
Exposição “Patrimônio Imaterial – A Celebração Viva da Cultura dos Povos
Local: CAIXA Cultural Recife, Avenida Alfredo Lisboa, 505 – Praça do Marco Zero – Bairro do Recife Antigo. – 3425-1900/1915
Data: Abertura 22 de abril – 19h30.
Visitação de 23 de abril a 31 de maio de 2015, de terça a sábado das 10h às 20h e aos domingos das 10h às 17h.
Classificação indicativa: Livre
Entrada Gratuita
Acesso para pessoas com deficiência
Informações: (81) 3425-1915

< voltar para home