Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Secretaria de Cultura

Gilberto Freyre Neto ministra palestra na Comissão Especial da Cadeia Produtiva Gaúcha

O encontro aconteceu nesta última quinta-feira (12), na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul

*Com informações da Agência ALRS

O secretário estadual de Cultura, Gilberto Freyre Neto, esteve, nesta última quinta-feira (12), no Rio Grande do Sul para apresentar a experiência da política pública cultural de Pernambuco na área da música. O gestor foi a convite da Comissão Especial da Cadeia Produtiva de Música e da Cultura Gaúcha da Assembleia Legislativa do Estado e participou de uma audiência pública com artistas e produtores culturais da capital, e das regiões central (Santa Maria), serra (Caxias do Sul) e sul do Estado (Pelotas). Além do gestor pernambucano, o encontro, comandado pelo deputado estadual Luiz Marenco, contou com a participação do superintendente de Promoção Cultural da Secretaria de Cultura da Bahia, Alexandre Freitas Simões.

Celso Bender/Agência ALRS

Celso Bender/Agência ALRS

O secretário Gilberto Freyre Neto (PE), o deputado Luiz Marenco (RS) e o superintendente Alexandre Freitas Simões (BA)

Celso Bender/Agência ALRS

Celso Bender/Agência ALRS

Ao lado do deputado estadual Luiz Marenco, o secretário pôde compartilhar a experiência pernambucana na área da cultura

Em sua fala, o Gilberto Freyre Neto destacou que Pernambuco possui um projeto de longo prazo na área da cultura, que abrange várias administrações. E que este plano de gerenciamento da cultura é reavaliado a cada dez anos. Ele lembrou ainda que o Estado possui o maior patrimônio histórico tombado do país, e ressaltou que o passado e o presente são tratados com igualdade e que a cadeia produtiva da música pernambucana tem políticas de fomento e de consumo. “Preocupamo-nos em abrir mercado para os principiantes, mas sem perder de vista os conceituados”, afirmou o secretário.

A audiência, presidida pelo deputado Marenco, durou três horas. Os debates permitiram a realização de levantamentos de dados importantes, tanto em valores de cada instrumento de apoio à cultura, quanto das características e formas de tratamento com as verbas públicas diretas e de renúncia fiscal. Também serviu para mostrar o olhar de cada estado para suas políticas culturais. “Toda essa compreensão da cadeia produtiva da cultura transforma-se em incentivo, faz girar a economia da região, cria ídolos nacionais e internacionais e oportuniza a cultura nordestina a um protagonismo em âmbito nacional, na mídia”, disse Marenco, e complementou: “Estes fatos retornam em dignidade aos artistas e sentimento de pertencimento ao povo, o que chamamos aqui no Rio Grande do Sul de amor ao pago”.

< voltar para home