Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Serviço Cultural

11º Festival de Cinema de Triunfo divulga vencedores

O 11º Festival de Cinema de Triunfo foi realizado entre os dias 6 e 11 de agosto e homenageou a atriz pernambucana Ilva Niño e o ator baiano João Miguel.

Confira os vencedores das mostras competitivas: 

TROFÉU CINECLUBISTA DE MELHOR FILME PARA REFLEXÃO

11 Minutos, de Hilda Lopes Pontes 

Menções Honrosas:

Tempo Circular, de Graciela Guarani

Arara: Um filme sobre um Filme Sobrevivente, de Lipe Canêdo

Nome de Batismo – Alice, de Tila Chitunda

Maria, de Elen Linth e Riane Nascimento

 

PREMIAÇÃO DO JURI POPULAR

- Melhor Curta-Metragem da Mostra Competitiva dos Sertões: Uma balada para Rocky Lane, de Djalma Galindo

- Melhor Curta-Metragem da Mostra Competitiva Pernambucana: Entre Pernas, de Ayla de Oliveira

- Melhor Curta-Metragem da Mostra Competitiva Infanto-Juvenil: A Formidável Fabriqueta de Sonhos Menina Betina, de Tiago Ribeiro

- Melhor Curta-Metragem da Mostra Competitiva Nacional: Maria, de Elen Linth e Riane Nascimento

- Melhor Longa Metragem da Mostra Competitiva Nacional: Organismo, de Jeorge Pereira

 

PREMIAÇÃO DO JÚRI OFICIAL DO FESTIVAL

CATEGORIA CURTA-METRAGEM:

Melhor atriz: Arly Arnaud, pelo filme No fim de tudo

Melhor ator: Silvério Pereira, pelo filme No fim de tudo

Melhor Som: Richard Soares e William Tenório, pelo filme Cine São José

Melhor Trilha Sonora: Henrique Macêdo, pelo filme Edney

Melhor Direção de Arte: Chia Beloto, pelo filme Fazenda Rosa 

- Melhor produção: Alexandre Soares Taquary, pelo filme Repulsa

Melhor Montagem: Amandine Goisbault, pelo filme Nome de Batismo – Alice

- Melhor Fotografia: Roberto Iuri, pelo filme Entre Pernas

Melhor Roteiro: Hilda Lopes Pontes, pelo filme 11 Minutos

Melhor Direção: Carlos Nigro, pelo filme Casa Cheia

Melhor Filme da Categoria Curta-Metragem dos Sertões: Uma balada para Rocky Lane, de Djalma Galindo

Melhor Filme Infanto Juvenil: Médico de Monstro, de Gustavo Teixeira

Melhor Filme Pernambucano: Nome de Batismo – Alice, de Tila Chitunda

Melhor Filme da Categoria Curta-Metragem Nacional: Maria, de Elen Linth e Riane Nascimento

 

CATEGORIA LONGA-METRAGEM NACIONAL

Melhor Personagem de Longa-Metragem | Troféu Fernando Spencer: Cristiano Burlan, pelo filme Elegia de um crime

Melhor ator: Guilherme Magnata, pelo filme Organismo

Melhor Atriz: Bianca Joy Porte, pelo filme Organismo

Melhor Som: Pablo Lopes, Chris Llemgrueber, Paulo Umbelino, Guga Rocha e Fernando Arroyo, pelo filme Organismo

Melhor Trilha Sonora: Amores de chumbo

Melhor Direção de Arte: Séphora Silva, pelo filme Amores de chumbo

- Melhor Produção: Carol Ferreira, Luiz Barbosa e Mannu Costa, do filme Em nome da América

Melhor Roteiro: Tuca Siqueira, pelo filme Amores de chumbo

- Melhor Montagem: Caioz e João Maria, pelo filme Em nome da América

Melhor Fotografia: Beto Martins, pelo filme Amores de chumbo

- Melhor Direção: Tuca Siqueira, pelo filme Amores de chumbo

Melhor filme da categoria Longa Metragem: Organismo, de Jeorge Pereira

 - Menção Honrosa: Elegia de Um Crime, de Cristiano Burlan{

Troféu ABD- APECI

Mostra competitiva de curta-metragem nacional
Filme: 11 minutos (Hilda Lopes Pontes)

No Brasil a cada minuto uma mulher é estuprada. Para que o feminicídio fosse reconhecido como crime de ódio a mulher, foi necessário que uma mulher fosse presidenta.51% da população brasileira é composta por mulheres e 54% de negras e negros. A linguagem audiovisual pode servir para denunciar a violência ou para reforça-la.Muitas vezes o que é justificado como denúncia na tela se não bem conduzido, nos faz revisitar a violência e até fetichiza-la.O filme 11 minutos se destaca por atuações precisas e maestria na representação dos simbolismos do machismo. A direção de Hilda Lopes Pontes, explicita a misoginia cotidiana a partir da representação do agressor, não como um monstro, mas como um homem comum, que nos deparamos em casa, na rua, no trabalho, convidando os homens comuns a refletir sobre suas práticas machistas. Evocar a presença de outras mulheres fortalece em nós a coragem para continuar lutando para mudar essa realidade.

Troféu ABD- APECI
Mostra competitiva de curta-metragem nacional

Menção honrosa:
Filme: Maria (Elen Linth e Riane Nascimento)

Um filme em primeira pessoa. Elen Linth e Riane Nascimento nos apresentam não só um filme sobre a mulher Maria, mas com Maria. Diante das ausências no cinema, esse filme afirma a resistência e a existência dessas mulheres. Aqui Maria não é só uma personagem, ela é a poesia e a poética.

Troféu ABD- APECI
Mostra competitiva de curta-metragem Pernambucano

Filme: Nome de batismo – Alice (Tila Chitunda)
A diretora Tila Chitunda partilha conosco a angústia de enfrentar seu próprio imaginário, e enfrentar o seu imaginário é uma forma de manter-se viva.

Troféu ABD- APECI
Mostra competitiva de curta-metragem Sertões

Filme: Tempo circular (Graci Guarani)

A Pankararu Graciela Guarani nos convida a uma reflexão sobre o tempo que não se encaixa na linearidade das narrativas ocidentais, pelo contrário as tensiona ao mesmo tempo que apresenta uma outra forma possível de lidar com o tempo integrando presente, passado, futuro, trazendo a ancestralidade como algo atemporal. Sob a direção de Graci temos a oportunidade de conhecer uma outra história do povo indígena, falando de sí, dos seus, para os seus e para o mundo.

Troféu ABD- APECI
Mostra competitiva de curta-metragem Sertões

Menção honrosa:
Filme: Òpárá de Òsùn: Quando Tudo Nasce (Pâmela Peregrino)

Com o título em Iorubá, língua africana trazida para o Brasil, a animação de Pâmela Peregrino Òpárá de Òsùn se apresenta como um instrumento do povo de terreiro para reivindicar uma outra história sobre a criação do mundo. Num contexto em que o Estado brasileiro se alia mais uma vez ao capital para criminalizar as práticas de imolação dos animais nos terreiros, “Quando tudo nasce” é um instrumento pedagógico, sensível e potente, para quebrar com a visão demonizada historicamente construída das religiões de matriz africana, e conectar o público a ancestralidade.

< voltar para home