Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Serviço Cultural

Festival de Cinema exibe filmes de realizadoras de diversos países

Mais de 70 produções audiovisuais estão na programação do II FINCAR, que acontece entre os dias 14 e 19 de agosto em cinemas do Recife e Camaragibe.

Divulgação

Divulgação

Realizadoras audiovisuais pernambucanas estão
à frente do evento

Por Camila Estephania

O olhar feminino estará refletido em telas do Recife e Camaragibe entre os dias 14 e 19 de agosto, quando acontece a segunda edição do Festival Internacional de Cinema de Realizadores, o FINCAR. Para além de exibir filmes feitos por mulheres, o evento tem a proposta de estimular o debate com as cineastas e contribuir com a formação das participantes. Ao todo, serão mais de 70 títulos exibidos no Cinema São Luiz, Cinema da Fundação Joaquim Nabuco e no Cine Teatro Bianor Mendonça Monteiro. De acordo com a sala, as sessões terão entradas gratuitas ou custando até R$ 3.

O Fincar surgiu da minha observação e da de Livia de Melo (produtora) sobre a importância de se afirmar a autoria das mulheres no campo cinematográfico e de se debater com o público essas obras trazendo as realizadoras ao centro do debate. Nessa segunda edição, soma-se a motivação de se fazer o espaço da equipe do FINCAR um espaço de formação para as mulheres também”, explica Maria Cardozo, que idealizou o festival. Curtas, médias e longas-metragens de todas as partes do mundo foram selecionados pela curadoria de 13 mulheres, que avaliaram 1168 filmes. A maioria do Brasil, que inscreveu 320 produções.

Aumentamos nossa equipe, trazendo mulheres de experiência e vivências audiovisuais diversas para fazermos um debate estético-político sobre o cinema de realizadoras. O festival está focando em formação: seja de sua equipe, seja de público. Então a etapa de curadoria foi longa e de muitas trocas, foi um processo de formação para todas nós”, comenta Maria Cardozo, ao adiantar que, para contribuir com a formação do público, o evento também tem investido em tempo de debate após as sessões.

O resultado da ampla curadoria é uma programação bastante inclusiva. Pela primeira vez no festival, uma diretora indígena irá exibir um filme na programação. É o caso de Patrícia Ferreira, que co-dirigiu o média-metragem “Teko Haxy – Ser Imperfeita” com Sophia Pinheiro.  O II FINCAR também faz história com a sessão do documentário “O Caso do Homem Errado”, de Camila de Moraes, que rompe o hiato de 34 anos sem longa-metragem de realizadora negra em circuito comercial.  Inclusive, a realizadora estará presente na sessão de sábado (18), no Cinema São Luiz.

As comunidades que vivem ao redor dos cinemas também contarão com ações para aproximá-las do festival. Já a sessão do média “Mulheres Rurais em Movimento” contará com a presença das ativistas do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste / MMTR-NE, que participaram da direção coletiva do filme. Elas virão de Caruaru e de outros estados do Brasil para participar da exibição no São Luiz na quinta (16). No domingo (19), o filme volta a ser exibido, mas desta vez no Cine Teatro Bianor Mendonça Monteiro, em Camaragibe.

Outra novidade é o espaço dedicado ao cinema de animação realizado por mulheres de diversos países. A mostra compõe a Sessão Infantil, que será destinada a estudantes de escolas públicas das duas cidades anfitriãs.

Em pleno 2018, que imagens projetar numa tela de cinema aproveitando os momentos de ajuntamento e debates proporcionado pelo cinema? Como resultado dessas provocações que nos fizemos a curadoria. Nesse processo, percebendo a potência das nossas diferenças  e refletindo sobre o presente, chegamos a uma programação compostos por filmes que buscam intervir no real, construir contra-narrativas e tensionar a ordem social de quem pode olhar e de quem é invisibilizado”, adiantou Maria sobre a proposta da programação.

Confira a PROGRAMAÇÃO COMPLETA no site

< voltar para home