Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Cultura popular e artesanato

Cineclube Digital exibe clássico do cinema latino americano

A sessão de “O Sangue do Condor” acontece no Bar Teatro Mamulengo, novo local para a atividade cineclubista. Iniciativa tem incentivo do Funcultura

Por: Autor Post

O Cineclube Amoeda Digital chega a setembro com novidades. Agora as sessões acontecerão no Bar Teatro Mamulengo, na Praça do Arsenal, no Recife Antigo. A mudança de local ocorre para melhorar as condições acústicas das sessões. A entrada permanece gratuita. O primeiro encontro na nova casa será nesta terça-feira (10/9), às 20h, com a exibição do clássico do cinema latino americano “O Sangue do Condor” (Bolívia, 1969), dirigida pelo cineasta Jorge Sanjinéz. Para comentar e debate sobre o filme após a exibição, foi convidado o realizador Felipe Peres Calheiros.

Outra novidade é que excepcionalmente este mês acontecerão duas sessões. Depois desta terça-feira (10/9), haverá uma segunda exibição no dia 24 de setembro. O Cineclube Amoeda Digital tem o patrocínio do Funcultura, por meio da Fundarpe, Secretaria de Cultura do Estado e Governo de Pernambuco.

Em “O Sangue do Condor”, duas narrativas são exploradas para tratar o processo de aculturação e extermínio do povo indígena boliviano de língua quéchua. A atualidade do tema remete à filmografia do diretor Jorge Sanjinéz. Aos 28 anos, Sanjinéz lança o curta “Revolución” (1963), depois de finalizar os estudos de cinema no Chile. O filme ganhou o Prêmio Joris Ivens no Festival de Leipzig e ficou conhecido como “O Potemkin de Sanjinés”, em referência ao clássico russo “O Encouraçado Potemkin” (1925), de Serguei Eisenstein. Em seguida, Sanjinéz dá início a uma seqüência de longas-metragens envoltos sob a temática da desigualdade social andina.

As preocupações políticas e a estética presente na filmografia de Sanjinéz também fazem parte da trajetória do convidado pernambucano. Felipe Peres Calheiros, desde 2006 integra o Coletivo Asterisco, e dirigiu os documentários “Até onde a vista alcança” (2007), “Acercadana” (2010), “Zuleno” (2012) e “Malunguinho” (2012). Formado em Administração e Direito, Calheiros migrou para o audiovisual no início dos anos 2000 e, em 2009, concluiu o Mestrado em Políticas e Estratégias de Comunicação para o Desenvolvimento Local, na Universidade Rural de Pernambuco (UFRPE). Desde então vem discutindo em seus filmes questões ligadas aos Direitos Humanos.

Serviço:
Amoeda Digital exibe “O Sangue do Condor”

Terça-feira (10/9), às 20h
Bar Teatro Mamulengo – Praça do Arsenal, s/n, Bairro do Recife
Entrada gratuita
Contatos: E-mail: amoedadigital@gmail.com
Fanpage: http://www.facebook.com/pages/Cineclube-Amoeda-Digital/124667651021942
Twitter: @AmoedaDigital

< voltar para home