Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Cultura popular e artesanato

NOTA DE PESAR – Mestre Inácio Nobreza

Divulgação

Divulgação

O mestre faleceu nesta terça-feira (25), aos 74 anos

“A gente tá ficando velho, não tem mais aquela garra de quando era mais novo… tem que vir o mais novo, pra assumir o lugar do mais velho, se não tiver o mais novo o Cavalo Marinho vai  se acabar…”. O ensinamento foi deixado pelo brincante Inácio João da Silva, mais conhecido como Inácio Nobreza, um dos mais atuantes mestres figureiros da expressão do Cavalo Marinho. Mestre Inácio Nobreza faleceu nesta terça-feira (25), por complicações pós-operatórias, aos 74 anos de idade.

O mestre iniciou na tradição ainda na adolescência, acompanhado o pai Severino, um rabequeiro que fazia parte de diversos grupos de cavalo-marinho da Mata Norte. Casado com Maria Severina da Silva, deixa as duas filhas Maria de Fátima e Marilene Maria e um neto de 3 anos, Lorenzo Gael.

A pesquisadora e presidenta do Cavalo Marinho Boi Pintado, Andala Quituche, relata com grande pesar o falecimento de Seu Inácio Nobreza. “Para nós que fazemos a tradição do Cavalo Marinho, cada mestre deste que se vai, é um livro de memórias do Cavalo Marinho que está sendo encerrando. São perdas irreparáveis. A memória do brincante, do homem rural do cultivo da cana, o corpo brincante canavieiro está em extinção e com isso a nossa própria tradição está em risco de extinção”, disse Andala.

A Secretaria de Cultura e a Fundarpe lamentam com pesar a partida do Mestre Inácio Nobreza e manifestam seu compromisso com o apoio, o fomento e a difusão das expressões populares tradicionais que este brincante tão nobremente representou.

 

< voltar para home