Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

PATRIMÔNIO CULTURAL

Didi do Pagode

Cidade: Recife
Atividade/expressão cultural: samba/pagode
Ano de registro de patrimônio vivo: 2010

Foto: Costa Neto

Vlademir de Souza Ferreira, mais conhecido por Didi do Pagode, nasceu em dezembro de 1943, no bairro Caxangá, no Recife. O convívio com o pai violinista e com as cantorias da mãe o fez, desde cedo, interessar-se pela música. Antes de firmar-se enquanto músico, Didi trabalhou em algumas empresas, casas de show e foi jogador de futebol, daí o apelido (diante da semelhança física com o jogador da seleção brasileira). Em 1981, abriu o Bar do Didi, que logo se tornou ponto de encontro de sambistas, e em seguida, o primeiro pagode ao ar livre do Recife, o Pagode do Didi. Com essa iniciativa, Didi participou da formação de vários músicos, compositores e grupos que iniciaram suas carreiras neste espaço.

Conhecido por “Quartel-general do samba na terra do frevo”, o espaço se mantém há três décadas enquanto reduto do samba de raiz, funcionando de segunda a sexta-feira, no bairro de Santo Antonio, Centro do Recife. O Pagode do Didi também foi o primeiro “palco” da Terça Negra, evento criado para encontro e expressão do povo negro, que ocorre todas as terças (atualmente no Pátio de São Pedro). Membro da Ordem dos Músicos do Brasil, Didi já participou da  gravação de discos e de programas televisivos, além de receber diversos  convites para gravar e integrar grupos de samba.

Em função da sua relação com militantes do Movimento Negro, foi homenageado enquanto Destaque da  Cultura Negra pela Prefeitura do Recife e recebeu o troféu Terça Negra, em  2009. Foi o homenageado do 1° Grande Encontro de Samba Autoral de Pernambuco, e em 2010, recebeu o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco.