Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Espaços culturais

“O Mestre e o Divino” segue em cartaz no Cinema São Luiz

Divulgação

Divulgação

“O Mestre e o Divino” retrata a convivência de um velho missionário alemão com um jovem cineasta xavante

O documentário O Mestre e o Divino (2013) segue em cartaz nesta semana no Cinema São Luiz. O longa mostra o desafio proposto entre um velho missionário alemão e um jovem cineasta xavante, feito por meio de imagens e documentado por um terceiro cineasta, branco, resultou num filme divertido e instigante: uma metalinguagem antropofágica, em que um digere o outro por meio da câmera. Às vezes ácida, às vezes bem humorada, a disputa se dá em torno das imagens da vida na aldeia e na missão salesiana de Sangradouro, no Mato Grosso. Cumplicidade, competição e ironia marcam o diálogo em torno dos registros históricos do missionário Adalbert Heide, que revelam os bastidores da catequização indígena no Brasil.

Os personagens são ao mesmo tempo próximos e antagônicos. O jovem cineasta Xavante Divino Tserewahú, que conviveu com Adalbert desde criança, começou a realizar seus filmes nas oficinas do projeto Vídeo nas Aldeias e a montá-los com a ajuda de Tiago Campos, diretor e também personagem do filme. Já Adalbert Heide é um excêntrico missionário alemão que chegou ao Brasil em 1954 sonhando conhecer “os índios” e, a partir de 1957, passou a trabalhar com os Xavante na missão de Sangradouro (MT), registrando sua cultura em Super 8. De vez em quando adornava-se com peruca e pinturas, como um Xavante, e registrava a própria presença na caça tradicional da etnia. Dizia-se cacique.

Embora unidos por laços de amizade e admiração mútua, os dois encontram-se ao mesmo tempo separados por insuperáveis abismos culturais. Colonização e raízes indígenas, conflitos e contradições pessoais são a matéria-prima desse filme, uma produção pernambucana dirigida pelo mineiro Tiago Campos – que revela o grande acervo de imagens produzidas por Heide. O Mestre e o Divino, falado em português, xavante e alemão, foi premiado como melhor filme, melhor montagem e melhor trilha sonora no Festival de Brasília de 2013. Participou também de vários outros festivais, no Brasil e no exterior.

Seguem em cartaz no equipamento cultural os filmes Sob Pressão (2016)Cícero Dias, o compadre de Picasso (2016), Cegonhas – a história que não te contaram (2016) e Aquarius (2016).

Com som e projeção digitais, o São Luiz é o cinema de rua mais moderno de Pernambuco, um equipamento público sob a gerência da Secult-PE e da Fundarpe. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Às terças, os valores caem para R$ 6 e R$ 3, respectivamente.

Confira a programação completa abaixo:
Semana: 1º a 7 de dezembro

O MESTRE E O DIVINO
(Brasil, 2013, 85min.)
Gênero: Documentário | Diretor: Tiago Campos Torres
Classificação Etária: Livre

Sinopse: Dois cineastas retratam a vida na aldeia e na missão de Sangradouro, Mato Grosso: Adalbert Heide, um excêntrico missionário alemão, que, logo após o contato com os índios, em 1957, começa a filmar com sua câmera Super-8, e Divino Tserewahú, jovem cineasta Xavante, que produz filmes para a televisão e festivais de cinema desde os anos 90. Entre cumplicidade, competição, ironia e emoção, eles dão vida a seus registros históricos, revelando bastidores bem peculiares da catequização indígena no Brasil.
Dia e horário: sexta-feira (2), às 15h | domingo (4) e terça-feira (6), às 17h35 | quarta-feira (7), às 15h50.

SOB PRESSÃO
(Brasil, 2016, 90min.)
Gênero: Drama | Diretor: Andrucha Waddington | Elenco: Julio Andrade, Ícaro Silva, Marjorie Estiano
Classificação Etária: 12 anos

Sinopse: Dr. Evandro (Júlio Andrade) e sua equipe, formada também pelos doutores Paulo (Ícaro Silva) e Carolina (Marjorie Estiano) enfrentam um tenso dia no hospital em que trabalham quando têm que realizar três cirurgias muito complicadas: um traficante, um policial militar e uma criança. O que complica o caso é que os três foram feridos no mesmo tiroteio em uma favela próxima ao hospital.
Dias e horários: domingo (4), às 15h50 | terça-feira (6) e quarta-feira (7), às 19h10.

CÍCERO DIAS, O COMPADRE DE PICASSO
(Brasil, 2016, 79min.)
Gênero: Documentário | Diretor: Vladimir Carvalho
Classificação Etária: 10 anos

Sinopse: O pintor pernambucano Cicero Dias criou uma arte inigualável para o mundo. Próximo de modernista e influenciado por artistas como Pablo Picasso, Fernand Léger e Joan Miró, ele marcou a história da arte brasileira.
Dias e horários: sexta-feira (2), às 16h35 | terça-feira (6), às 15h50 | quarta-feira (7), às 17h35.

CEGONHAS – A HISTÓRIA QUE NÃO TE CONTARAM
(Storks, EUA, 2016, 87min.)
Gênero: Animação | Diretor: Nicholas Stoller e Doug Sweetland
Classificação Etária: Livre

Sinopse: Todo mundo já sabe de onde vêm os bebês: eles são trazidos pelas cegonhas. Mas agora você vai conhecer a mega estrutura por trás desta fábrica de bebês: na verdade, as cegonhas controlam um grande empreendimento que enfrenta muitas dificuldades para coordenar todas as entregas nos horários e locais certos.
Dias e horários: sábado (3), às 13h30 | domingo (4) e terça-feira (6), às 14h.

AQUARIUS
(Brasil, França, 2016, 141min.)
Gênero: Drama, Suspense | Direção: Kleber Mendonça Filho | Elenco: Sônia Braga, Maeve Jinkings, Irandhir Santos
Classificação Indicativa: 16 anos

Sinopse: Clara (Sonia Braga) tem 65 anos, é jornalista aposentada, viúva e mãe de três adultos. Ela mora em um apartamento localizado na Av. Boa Viagem, no Recife, onde criou seus filhos e viveu boa parte de sua vida. Interessada em construir um novo prédio no espaço, os responsáveis por uma construtora conseguiram adquirir quase todos os apartamentos do prédio, menos o dela. Por mais que tenha deixado bem claro que não pretende vendê-lo, Clara sofre todo tipo de assédio e ameaça para que mude de ideia.
Dias e horários:  quinta-feira (1º) e sábado (3), às 15h15 | domingo (4), às 19h10.

< voltar para home