Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Cultura popular e artesanato

Maracatus de Baque Solto e Cavalo Marinho recebem título de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil

Ato foi realizado na zona rural de Nazaré da Mata com a presença do governador Paulo Câmara, do secretário de Cultura, Marcelino Granja, e da presidente da Fundarpe, Márcia Souto

Costa Neto/Secult-PE

Costa Neto/Secult-PE

Manoelzinho Salustiano, em nome dos maracatus de baque solto, recebe o título das mãos do governador Paulo Câmara e do secretário de Cultura, Marcelino Granja

O terreiro do Maracatu Cambida Brasileira (fundado em 1918), o mais antigo em atividade em Pernambuco, com sede na zona rural de Nazaré da Mata, recebeu na tarde deste domingo (25) uma multidão durante a celebração que oficializou os maracatus de Baque Solto e Cavalos Marinhos como Patrimônios Cultural Imaterial do Brasil . A solenidade teve a participação do governador Paulo Câmara, do secretário de Cultura Marcelino Granja, da presidente da Fundarpe, Márcia Souto, e do superintendente do IPHAN, Frederico Almeida, entre outros representantes do poder público.

A atividade marcou o encerramento da programação do 5º Encontro de Cultura Popular da Mata Norte, uma realização do programa Pernambuco Nação Cultural em 11 cidades da região. Ícones da cultura pernambucana, o Maracatu e o Cavalo Marinho foram reconhecidos como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil em dezembro de 2014 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), após a apresentação de inventários das manifestações realizados pela Secretaria de Cultura de Pernambuco e Fundarpe.

Costa Neto / Secult-PE

“É um passo importante a imaterialidade de expressões culturais tão antigas, mas tão atuais, onde as pessoas se divertem e repassam para as gerações. Os maracatus de Baque Solto e os Cavalos Marinho representam a cultura de Pernambuco há muito tempo; eles precisavam desse fortalecimento”, destacou Paulo Câmara.

De acordo com o governador, os títulos concedidos pelo Iphan mostram que a cultura pernambucana é forte. “Nossos artistas são generosos e lutadores. O Governo continuará apoiando, para que esse legado fique para as próximas gerações. A riqueza de um Estado e a riqueza de uma nação vêm da cultura”, argumentou Paulo.

De acordo com o secretário estadual de Cultura, Marcelino Granja, a entrega deste título registra duas coisas muito importantes. “Primeiro, que a identidade é um valor cultural que usamos pra fazer boas trocas. Quando fortalecemos nossa identidade como agora, temos condições de beneficiar a humanidade na troca de conhecimentos. Segundo, que este título trata-se de uma questão de escolha, teve a escolha de Eduardo Campos e tem a escolha do governador Paulo Câmara, que é a valorização da cultura popular como eixo central da nossa política de cultura”, ressaltou.

Costa Neto / Secult-PE

Entrega dos títulos – Manoelzinho Salustiano, presidente da Associação dos Maracatus de Baque Solto de Pernambuco, e o mestre Grimário, no comando do Cavalo Marinho Boi Pintado, de Aliança, receberam os títulos em nome das manifestações culturais. Além disso, foi entregue um diploma para todas as agremiações mapeadas no inventário produzido pela Fundarpe, e para o Governo do Estado de Pernambuco, que deu entrada na candidatura.

Para Manoel Salustiano, a titulação é mais uma vitória da cultura popular. “A gente se emociona porque é mais uma vitória que a gente tem, de um povo negro e pobre, mas que é rico na cultura, doutor na sua arte. É um momento importante você ver um governador dentro de um terreiro, dentro do mato, do engenho. Então, é mais um degrau que a gente subiu”, afirmou.

Costa Neto / Secult-PE

Já o mestre Dinaro também reconheceu a importância do momento. “Hoje a gente está no meio do canavial e é uma alegria muito grande estarmos recebendo esse título de patrimônio. É importante para o Cavalo Marinho e para o Maracatu. É um reconhecimento muito grande”, comemorou.

Com as titulações dos maracatus de Baque Solto e do Cavalo Marinho, Pernambuco se consolida como o Estado com o maior número de manifestações culturais com título de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil; são sete no total: Feira de Caruaru, Frevo, Maracatu Nação, Maracatu Baque Solto, Cavalo Marinho, Capoeira, Teatro de Mamulengos. Há ainda a candidatura dos Caboclinhos, que está em análise. Hoje, 36 manifestações possuem o título no País.

< voltar para home