Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

3ª edição do VerOuvindo promove acessibilidade audiovisual

Mostra acessível acontece de 20 a 24 de abril, com incentivo do Funcultura

Com informações da Assessoria

Divulgação

Divulgação

O Cinema São Luiz vai abrigar, mais uma vez, exibições e debates do festival

Entre os dias 20 e 24 de abril acontecerá a 3ª edição do Festival Verouvindo nos cinemas do Museu e São Luiz. Filmes como  Baile Perfumado de Paulo Caldas e Lírio Ferreira; Tatuagem de Hilton Lacerda; e Boa noite, Solidão de Geneton Moraes Neto fazem parte da seleção que será exibida com recursos de acessibilidade durante o evento. A entrada é gratuita.

Incentivado pelo Governo de Pernambuco, através do Funcultura, e realizado pela Com Acessibilidade Comunicacional, o Verouvindo destaca-se por promover o serviço de audiodescrição e da Libras no audiovisual e pela formação do público com deficiência visual ou auditiva.

A audiodescrição no cinema é um recurso voltado para pessoas cegas e de baixa visão que descreve o ambiente, os personagens, o figurino e os demais elementos imagéticos e sonoros contidos em uma cena. Já a tradução em Libras reproduz e interpreta os diálogos, narrativas e sons na língua de sinais.

O VerOuvindo, idealizado e produzido pela audiodescritora Liliana Tavares, não só leva para as grandes telas curtas e longas-metragens compreensíveis para todos os públicos, como possui uma Mostra Competitiva e premia em dinheiro audiodescritores. Além disso, visa ampliar o debate em torno da acessibilidade no audiovisual.

“Promovemos também atividades formativas como mesa redonda, estudo de roteiro e debate com os diretores, profissionais da acessibilidade e o público”, pontua Liliana.

Acesse a programação completa 

 

Exibição de Filmes

A partir deste ano, o pesquisador, crítico de cinema, jornalista e curador do festival André Dib é quem realiza a seleção dos curtas e longas exibidos com acessibilidade comunicacional, exceto os da Mostra Competitiva.

Este trabalho possibilita pessoas surdas ou cegas terem acesso ao cinema, algumas delas, pela primeira vez na vida. Como é o caso da professora de Libras, Darlene Seabra de 33 anos. “Foi a minha primeira vez no cinema e em um filme com a minha língua materna. Uma experiência muito boa. Adorei o lugar, achei muito bonito o cinema São Luiz. Quero ir de novo!”, destaca Darlene.

O Verouvindo ultrapassa os limites da capital pernambucana e, todos os anos, pessoas com deficiência visual ou auditiva tem vindo do agreste e do sertão do Estado curtir a programação.

“Não perco uma edição do Verouvindo e estou sempre querendo levar pessoas que não conhecem. Todo mundo volta maravilhado. Já fui em cinema e teatro sem audiodescrição e ficava totalmente perdida, sem entender o contexto. Já com o recurso, me sinto incluída, por dentro. É fabuloso. “, afirma a pedagoga, massoterapeuta e atual presidente da ACACE (Associação Caruaruense de Cegos), Luci Tertulina.

Sessão Especial GloboNews

O documentário produzido pela GloboNews Boa noite, Solidão do diretor Geneton Moraes Neto será exibido no festival. Logo após a sessão, o diretor participará de um bate-papo com o público, profissionais da audiodescrição e diretores dos curtas pernambucanos premiados. Será no dia 22, às 17h, no Cinema do Museu.

Mostra de Curtas Pernambucanos do Prêmio Serviço VerOuvindo no FestCine

Minha geladeira pensa que um Freezer, de Pablo Polo, Olhos de Botão, de Marlon Meirelles e Soledad dirigido por Joana Gatis, Flávia Vilela e Daniel Bandeira fazem parte da Mostra de Curtas Pernambucanos do Verouvindo. Os curtas foram produzidos pelo Festival e serão exibidos com audiodescrição e Libras, no dia 22 de abril, a partir das 17h, no Cinema do Museu.

Sessão Memória

Criada este ano, a Sessão Memória exibirá filmes importantes da história de Pernambuco com audiodescrição e Libras. No dia 23 de abril, o longa-metragem “Baile Perfumado”, lançado há 20 anos, estará nas telas do Verouvindo disponível para todos. A sessão será às 17h, no cinema São Luiz.

Em seguida, haverá um Show de música com audiodescrição com Luiza Caspary que é cantora, compositora.

Mostra Competitiva

O VerOuvindo colocou Pernambuco na vanguarda em premiar profissionais da audiodescrição. A Mostra Competitiva do VerOuvindo é a primeira a dar prêmios a audiodescritores e formar um júri técnico e um popular para eleger os vencedores. A votação acontece por meio de cédula em Braille com fonte ampliada.

“Convidamos profissionais de destaque na cena da audiodescrição de outros estados para avaliar os curtas-metragens inscritos na Mostra e convocamos um júri popular. Assim, o trabalho dos audiodescritores pode ser reconhecido por pessoas experientes e pelo público em geral”, explica Liliana Tavares.

A boa nova deste ano é que a Mostra dará prêmios em dinheiro aos três melhores roteiros de Audiodescrição (R$ 1.500 – 1º lugar, R$ 1.000 – 2º lugar e R$ 500 3º lugar) e para a melhor locução (R$ 500). O melhor do júri popular ganhará um troféu de reconhecimento.

A Mostra Competitiva acontecerá no segundo dia do festival e vai exibir curtas nacionais. Os vencedores serão revelados no último dia do evento.

Formação                        

Uma das ações do Verouvindo é fomentar a discussão sobre a inserção da acessibilidade comunicacional no audiovisual. Deste modo, na abertura do evento, sempre há uma mesa-redonda para debater as técnicas de inclusão cultural.

“A difusão da audiodescrição” será o tema abordado este ano pelas produtoras, Lara Pozzobon e Rachel Ellis e mediada pela audiodescritora Liliana Tavares. A mesa acontecerá no dia 20 de abril, às 17h, na Fundaj na sala Caloutre Gulbenkiean, Av. 17 de Agosto, 2187.

Nesta edição, haverá ainda, um estudo de roteiro de audiodescrição, com audiodescritora e locutora gaúcha Márcia Caspary. A aula acontecerá no dia 24 de abril, às 15h, no cinema São Luiz e será aberta a todos.

Homenagem

Em suas edições, o Verouvindo presta homenagem a pessoas de destaque na área da acessibilidade comunicacional no Brasil. Desta vez, a produtora de cinema Lara Pozzobon e a audiodescritora Graciela Pozzobon, responsáveis pelo festival “Assim Vivemos”, foram as escolhidas.

O “Assim Vivemos” é um Festival internacional de filmes sobre pessoas com deficiência. Foi, em 2003, na estreia deste trabalho, que o recurso da audiodescrição chegou pela primeira vez a um evento cultural no Brasil.

Lara Pozzobon também é a idealizadora do projeto “Teatro Acessível” que realiza sessões teatrais com recursos de acessibilidade.

Parcerias

O 17º Festival de Curtas de Pernambuco (FestCine) exibiu, em 2015, quatro filmes com audiodescrição produzidos pelo Verouvindo.

Já o Verouvindo  contemplou três curtas do FestCine  com um prêmio que consiste no serviço de audiodescrição e exibição durante o festival VerOuvindo do ano seguinte. A seleção dos curtas é do curador André Dib.

A Universidade Católica de Pernambuco é outra forte parceira. Além de ceder os estúdios de gravação, incentiva a participação dos alunos de cursos como jornalismo, publicidade e fotografia em várias tarefas durante o festival. O envolvimento dos jovens conta como atividade complementar.

“Apoiar iniciativas como o VerOuvindo é o melhor caminho para formar cidadãos preocupados com o outro e profissionais empenhados em promover o amplo acesso aos mais diversos conteúdos”, afirma a coordenadora do curso de Publicidade e Propaganda, Janaína Calazans.

A relação do Verouvindo com a Católica já resultou em profissionalização. A ex-aluna do curso de Publicidade e Propaganda, Bruna Cortez, por exemplo, foi uma grande colaboradora do Verouvindo em 2014. Em 2015, ela já participou da Mostra Competitiva.

“Durante meu período de voluntariado conheci um universo totalmente novo e acessível, um lugar onde todos faziam parte. A cada experiência com os trabalhos do festival fui me apaixonando mais pela audiodescrição e seu poder de tornar tudo acessível. Participei do curso de audiodescrição ministrado pelo Professor Francisco Lima da UFPE e depois comecei a atuar na área como roteirista e locutora em audiodescrição. Hoje trabalho tanto numa empresa de comunicação acessível, quanto de forma independente.”, relata Bruna que também se inscreveu na Mostra Competitiva deste ano.

< voltar para home