Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Fundarpe

Outras Palavras reforça ensino de cultura em Casa Amarela

Bairro na zona norte do Recife recebeu mais uma edição do projeto, que já envolveu cerca de 9 mil estudantes pernambucanos

Jan Ribeiro

Jan Ribeiro

O escritor e historiador Karl Schurster falou sobre conflitos mundiais a partir do livro “Esther: uma estrela na guerra”

Por Camila Estephania

Buscando acrescentar à educação dos estudantes da rede pública estadual, o projeto Outras Palavras, realizado pela sistema Secult-PE/Fundarpe, teve mais uma edição de sucesso na última quinta-feira (14), quando aportou na Escola de Referência em Ensino Médio Ageu Magalhães, em Casa Amarela (Recife). Na ocasião, o escritor e historiador Karl Schurster e o músico Gilú Amaral conversaram com os adolescentes sobre a importância do consumo cultural não só como uma forma de compreensão da sociedade, mas também como um aprendizado tão fundamental quanto o das disciplinas escolares na formação de cidadãos. A iniciativa proporciona essa experiência de imersão na cultura desde 2015 e, até agora, já chegou a cerca de 400 escolas, tendo alcançado em média 9 mil alunos e doado aproximadamente 6 mil livros.

Jan Ribeiro

Jan Ribeiro

Márcia Branco, do Outras Palavras, comemorou as cerca de 400 escolas atingidas pelo projeto

Lançado neste mês, o livro “Esther, uma estrela na guerra”, de Schurster, deu o tom do debate com os adolescentes, que foram provocados a refletir um pouco mais sobre os conflitos que marcaram a nossa história mundial. A obra é o primeiro trabalho infanto-juvenil do autor e conta a história do Holocausto a partir da vida da pequena Esther, cuja família judia é vítima do Nazismo, que vigorou na Alemanha durante a década de 1940. Embora a história se passe em época e país diferentes, Schurster alertou para a proximidade dessa realidade com a do próprio Brasil. Ao lembrar do genocídio indígena, a escravidão e seu consequente racismo que, infelizmente, persiste até hoje, além da repressão aplicada atualmente aos setores mais insatisfeitos da sociedade, o historiador destacou a universalidade do tema abordado no livro.

“Sempre que a política perde para a violência, é um caso de Fascismo. A gente tem a impressão que a história ensina alguma coisa, mas não. A história pode servir de advertência, mas os erros estão sempre sendo repetidos. O grande problema é que os nossos mecanismos de informação apurada são muito poucos”, explicou ele, sobre as diversas facetas que o Nazismo pode assumir. Schurster também frisou que, apesar do livro partir de uma personagem fictícia, foi uma forma de humanizar e dar voz a tantas pessoas reais que tiveram suas histórias apagadas pelos opressores.

Jan Ribeiro

Jan Ribeiro

Os alunos da Escola Ageu Magalhães, em Casa Amarela, conversaram com os artistas convidados.

“Estudar o Holocausto é estudar os direitos humanos, ele mostra do que a humanidade foi capaz de fazer e deve servir como advertência para lembrar até onde a gente pode chegar em tempos de exceção, e estamos vivendo vários momentos de exceção atualmente. Estamos voltando a discutir direitos que já estavam consolidados. A gente não pode apostar nessa geração que está dividida e não acredita em política, a gente precisa apostar na que vem. A leitura e a comunicação são sempre as melhores formas de chegar nessa base”, opinou o escritor, sobre a importância da literatura para conscientizar os jovens.

Dentre os temas discutidos que mais causaram curiosidade nos alunos, a interpretação dos livros trouxe à tona o potencial que cada história apresenta. “Sartre citou uma vez que nós não nascemos vendo o mundo, nós aprendemos a ver o mundo. Isso quer dizer que cada um interpreta as coisas de acordo com as suas próprias referências”, comentou ele, para reforçar que não existe um sentido absoluto para as histórias.

Já o percussionista Gilú Amaral usou a música para falar sobre a cultura como um traço de identidade de um povo. “É muito importante conhecer a música do nosso Estado para saber quem somos nós e de onde a gente vem. Se você tirar a cultura de uma pessoa, você tirou tudo dela, por isso é importante a gente estar antenado ao que é nosso”, defendeu ele, depois de tocar um Coco para os alunos e ensinar a diferença entre Maracatu de Baque Solto e de Baque Virado e suas origens africanas e indígenas. Entre uma música e outro, Gilú foi bastante didático ao apresentar para os alunos os instrumentos que usava, como o hanging drum, o caxixi, o talking drum e o pandeiro, sempre diante do olhar curioso dos adolescentes.

Jan Ribeiro/Secult-PE

Jan Ribeiro

O percussionista Gilú Amaral relembrou sua trajetória e apresentou instrumentos e ritmos da música pernambucana

No entanto, os momentos de conversa também foram pontuados pela memória de sua trajetória como uma forma de incentivar os jovens interessados a se dedicarem à música. Integrante fundador da Orquestra Contemporânea de Olinda e considerado um dos principais expoentes da percussão brasileira por Naná Vasconscelos, com quem também já trabalhou, Gilú recordou o início da carreira em coletivos de ônibus e destacou que o importante é que cada um trabalhe com o que mais gosta e acredite nisso.

“A gente esquece dos nossos sonhos e é condicionado a ter um profissão formal da qual não gostamos. Se você quer seguir um caminho e seus pais não querem deixar, faça com que deixem. Temos que ter autonomia e escolher. Eu tive muito foco e nunca quis outra coisa, por isso sempre fui aplicado, porque para fazer música você tem que estudar muito também”, esclareceu ele, ao responder uma estudante que disse também querer seguir a carreira musical.

Jan Ribeiro/Secult-PE

Jan Ribeiro

Os alunos interagiram com a apresentação cantando músicas de ritmos como o Coco e o Maracatu

“Fiquei muito feliz de participar de um projeto como esse, porque acho que a escola também deve ter esse papel além da educação convencional. É importante que a escola proporcione essa aproximação de trazer o artista para os jovens conhecerem, porque o jovem é muito bombardeado pelas coisas que estão na mídia e, por isso, muitas vezes não conhece sua própria cultura”, enfatizou Gilú, que cativou os alunos atendendo aos pedidos para tocar maracatu e respondendo às perguntas sobre a origem das músicas que executava. A experiência reforçou que, muitas vezes, os jovens só precisam ter a cultura a seu alcance para consumi-la.

< voltar para home