Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Secretaria de Cultura

Presidente da Funarte adianta novos eixos de ação da política nacional para as artes brasileiras

O encontro aconteceu nesta quarta-feira (27), no Teatro Arraial Ariano Suassuna, e reuniu diversos gestores de cultura, além de artistas e produtores culturais

Costa Neto/Secult-PE/Fundarpe

Costa Neto/Secult-PE/Fundarpe

Francisco Bosco comandou a roda de conversa sobre políticas públicas culturais no Arraial

Promover uma sinergia de todos os atores da cultura e das artes brasileiras – incluindo a sociedade civil – em torno de um projeto de abrangência nacional. Este é um dos objetivos iniciais anunciados pela Funarte, no encontro que aconteceu nesta quarta-feira (27), no Teatro Arraial Ariano Suassuna. Francisco Bosco, presidente da instituição, foi recebido pelo secretário de Cultura de Pernambuco, Marcelino Granja, e pela presidente da Fundarpe, Márcia Souto, antes de fazer parte de uma roda de diálogo, da qual também participaram Gilson Matias, chefe da Regional Nordeste do Ministério da Cultura, o diretor de Cultura da UFPE, professor Marcos Galindo, e o representante da Funarte Norte/Nordeste, Naldinho Freire.

Com o objetivo de incentivar a leitura e disseminar o conhecimento artístico entre o público universitário, o presidente da Funarte aproveitou a ocasião para fazer a doação de 50 livros à UFPE, como parte da política de distribuição de publicações da entidade, que só neste ano disponibilizará 450 obras para as nove universidades federais do Nordeste.  O encontro foi ainda a oportunidade do órgão federal antecipar, em Pernambuco, o processo de discussão e de construção da Política Nacional das Artes (PNA), que será lançado no dia 9 de junho, na sede da Funarte, no Palácio Gustavo Capanema (Rio de Janeiro), com a presença do ministro Juca Ferreira. “Primeiro, quero dizer que é um prazer estar aqui. Essas rodas de conversas, que estamos promovendo em várias capitais brasileiras, buscam ouvir as demandas e reivindicações da classe artística e visam, principalmente, criar processos que garantam a singularidade dos territórios de nosso país e, obviamente, de cada linguagem artística, para fortalecer a cadeia criativa”, disse Bosco.

Costa Neto/Secult-PE/Fundarpe

Costa Neto/Secult-PE/Fundarpe

O professor Marcos Galindo, representando a UFPE, recebeu os livros doados pela Funarte

A proposta visa programar um conjunto de políticas públicas capazes de responder aos anseios artísticos da sociedade brasileira contemporânea, a partir de um amplo debate com os diversos setores artísticos e com a sociedade em geral.  Segundo o que Bosco antecipou no Recife, esse projeto se estrutura em quatro eixos de ação. Haverá um conjunto de seminários para discussão da economia e educação nas artes, além de outros pontos. Um segundo eixo, batizado por Bosco de Caravana das Artes, reunirá um grupo de consultores que percorrerá os 26 estados da federação, realizando rodas de conversas com todas as linguagens artísticas. Figuram também no plano uma série de encontros setoriais e, por fim, a construção de uma plataforma digital com a função de engajar a sociedade civil neste processo de consulta pública e consolidação de uma nova dinâmica de política cultural para as artes brasileiras.

Costa Neto/Secult-PE/Fundarpe

Costa Neto/Secult-PE/Fundarpe

Em seu discurso, o secretário Marcelino Granja enalteceu a iniciativa da Funarte

O secretário de Cultura Marcelino Granja comemorou a iniciativa da Funarte e lembrou que, quando Juca Ferreira tomou posse como ministro da Cultura, em Brasília, ele defendeu um amplo debate acerca do Sistema Nacional de Cultura. “O ministro destacou a necessidade do Brasil se desenvolver mais, e frisou que o papel da Cultura poderia ser valioso neste processo. Outro ponto importante que o Ministro levantou é que precisamos dar mais atenção à política para as artes. Nós, em Pernambuco, estamos atentos a tudo isso e, tomando como exemplo a grande referência que é hoje o audiovisual feito no Estado, queremos tornar a política cultural das demais linguagens artísticas pernambucanas numa referência para o país”, afirmou Granja.

Visita ao Pernambuco Criativo
Após o encontro no Teatro Arraial Ariano Suassuna, o presidente da Funarte seguiu para a Universidade Federal de Pernambuco, no bairro da Várzea. Por lá, Bosco conheceu as instalações da instituição de ensino e visitou o Pernambuco Criativo, parceria do MinC com a Secult-PE, Fundarpe e UFPE, lotado no Centro de Convenção. Ciceroneado por Bruno Cavalcanti, atual coordenador de Economia Criativa, ele conheceu a proposta do espaço e reiterou que a Funarte estava disposta a dialogar e cooperar com os projetos do PE Criativo.

< voltar para home