Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

PATRIMÔNIO CULTURAL

Semana do Patrimônio encerra com seminário sobre bens culturais de matriz africana

Iniciativa promovida pelo Governo de Pernambuco, através da Secult-PE e Fundarpe, será realizada nesta quinta (29) e sexta-feira (30), no Sítio Pai Adão

Divulgação

Divulgação

Seminário será realizado na sede do Sítio Pai Adão, que fica na Estrada Velha de Água Fria, 1644, no bairro de Água Fria

Após uma intensa maratona de atividades em 30 cidades pernambucanas, a 12ª Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco chega ao fim com a realização de algumas iniciativas, dentre elas o 1º Seminário “A Patrimonialização e Musealização de Bens Culturais de Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana” – que acontece nesta quinta (29) e sexta-feira (30), das 9h às 18h, no Sítio Pai Adão, no Recife.

O Seminário é aberto ao público e será realizado pelo Governo de Pernambuco, através da Secretaria de Cultura e Fundarpe, pela Superintendência do Iphan em Pernambuco, e pelo Terreiro Obá Ogunté/ Sítio de Pai Adão.

Na ocasião, haverá debates, mesas-redondas, palestras, degustação de comida de terreiro e apresentações de cânticos sagrados – numa homenagem a Ifatinukê (Joaquina da Costa), fundadora do Ilê Obá Ogunté, reconhecido como o primeiro terreiro de Xangô do Recife.

Jan Ribeiro/Secult-PE

Jan Ribeiro/Secult-PE

Gilberto Freyre Neto, secretário de Cultura do de Pernambuco, participa da mesa de abertura, ao lado do Babalorixá Manoel Papai Oguntêfaran, do Sítio de Pai Adão; e de Renata Duarte Borba, superintende do Iphan-PE

A mesa de abertura contará com a presença do Babalorixá Manoel Papai Oguntêfaran, do Sítio de Pai Adão; Renata Duarte Borba, superintende do Iphan-PE; e Gilberto Freyre Neto, secretário de Cultura de Pernambuco.

Segundo Gilberto Freyre Neto, “a realização deste encontro evidencia temas como o tombamento de terreiros, a musealização e repatriação de bens culturais afro-religiosos, valorizando e reconhecendo a participação dos povos e comunidades de matrizes africanas nas políticas e na gestão do patrimônio cultural no Estado”, destaca o secretário.

Elimar Pereira/CulturaPE

Elimar Pereira/CulturaPE

Terreiro Xambá, em 2018, recebeu o titulo de Patrimônio Vivo de Pernambuco, o primeiro entregue a uma casa de candomblé do estado

Para Marcelo Canuto, presidente da Fundarpe, é importante destacar o reconhecimento da Casa Xambá como Patrimônio Vivo de Pernambuco, em 2018, e o tombamento estadual, desde 1985, do Sítio de Pai Adão – tombado nacionalmente pelo Iphan, também em 2018. “Este Seminário marca a importância de debater esses temas e a necessidade de ampliar os procedimentos de gestão desse patrimônio cultural tão importante para o Estado”, ressalta Canuto.

O primeiro dia do Seminário será destinado às falas de representantes do Sítio de Pai Adão, do Terreiro Xambá (Patrimônio Vivo de Pernambuco), do Ilê Obá Aganjú Okoloyá e do Ilê Asé Oyá Idaianã, além da representante da Rede de Mulheres de Terreiro de Pernambuco, que versarão sobre a história de resistência das religiões de matriz africana na cidade e o papel das mulheres nesse processo.

Costa Neto/CulturaPE

Costa Neto/CulturaPE

Canuto destaca o reconhecimento da Casa Xambá como Patrimônio Vivo de Pernambuco, em 2018, e o tombamento estadual, desde 1985, do Sítio de Pai Adão (tombado nacionalmente pelo Iphan, também em 2018)

O último dia, por sua vez, contemplará palestras e mesas redondas que tratarão da apresentação dos processos de patrimonialização do Sítio de Pai Adão em âmbito estadual e federal. A proposta é traçar a linha da história dos tombamentos de terreiros em âmbito nacional, das novas perspectivas para o reconhecimento de bens culturais de povos e comunidades tradicionais de matriz africana, bem como a repatriação digital do acervo confiscado de terreiros -  pelo Museu da Abolição e o desenvolvimento do Museu Afro-digital.

Semana do Patrimônio – Idealizada pela Fundarpe em 2008, a partir de encontros para elaboração do Plano Estadual de Cultura, a Semana estabelece diálogos interdisciplinares entre diversas instituições com o objetivo de compreender, difundir, valorizar, reconhecer, preservar e salvaguardar o Patrimônio Cultural dos 185 municípios pernambucanos.

Elimar Pereira/CulturaPE

Elimar Pereira/CulturaPE

Representante do Terreiro Xambá, Patrimônio Vivo de Pernambuco, o Babalorixá Ivo de Xambá também participará do seminário

Este ano, a 12ª Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco teve como tema “Territórios Educativos e Culturais: diálogos possíveis”, com a proposta de abrir um amplo e qualificado debate sobre as relações entre os territórios educativos e culturais e suas potencialidades para o Patrimônio Cultural.

Em 2018, a Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco foi contemplada com o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, na Categoria II – Iniciativas de excelência no campo do Patrimônio Cultural Imaterial. Confira aqui a programação completa.

Serviço
1º Seminário – A Patrimonialização e Musealização de Bens Culturais de Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana
Quinta (29) e sexta (30) | 9h às 18h
Sítio de Pai Adão (Estrada Velha de Água Fria, 1644 – Água Fria)
Gratuito

Quinta-feira (29)
9h | Cânticos Sagrados – Homenagem a Ifatinukê (Joaquina da Costa) – fundadora do primeiro terreiro de Xangô de Recife, no centenário de seu falecimento
Abertura Institucional:
– Babalorixá Manoel Papai Oguntêfaran do Sítio de Pai Adão;
- Renata Duarte Borba – Superintendência do Iphan-PE;
- Gilberto Freyre Neto – Secretário de Cultura de Pernambuco.
10h | Mesa redonda: A história de resistência dos terreiros na cidade do Recife
– Babalorixá Manoel Papai (Sítio de Pai Adão)
- Babalorixá Adeildo Paraíso – Ivo de Xambá (Terreiro Nação Xambá)
Mediação: Marcelo Renan (Historiador da GGPPC-Fundarpe)
12h às 14h | Intervalo para o Almoço
14h | Mesa redonda: O papel das mulheres e a resistência das tradições de matriz africana
– Maria Conceição da Silva (Iyalorixá do Ilê Asé Oyá Idaianã)
- Maria Helena Mendes Sampaio (Iyakekerê do Ilê Obá Aganjú Okoloyá)
Mediação: Vera Baroni (Iyagbassé do Ilê Obá Aganjú Okoloyá, Coordenadora da Rede de Mulheres de Terreiro de Pernambuco)
17h | Apresentações Artísticas
- Espetáculo Nagô Éta Oyá tundê, com Helaynne Sampaio

Sexta-feira (30)
9h | Palestra: Histórico do Processo de Patrimonialização de Terreiros pelo Iphan
- Juliana Cunha (Historiadora do Iphan-PE)
10h | Mesa redonda – Tombamento do Terreiro Obá Ogunté – Sítio de Pai Adão –
- Raul Lody (Antropólogo)
- Giorge Bessoni (Antropólogo do Iphan/PE)
- Nazaré Reis (Arquiteta e Urbanista da GGPPC/Fundarpe)
- Babalorixá Manoel Papai (Sítio de Pai Adão)
12h às 14h | Intervalo para o Almoço
14h | Palestra: Novas perspectivas para o reconhecimento de bens culturais de povos e comunidades tradicionais de matriz africana
- Karina Lira (Depam/Iphan-DF)
15h | Palestra: Apresentação do Processo de Repatriação Digital do Acervo Confiscado de Terreiros
- Daiane Carvalho (Diretora do Museu da Abolição)
16h | Palestra: Desenvolvimento do Museu Afro-digital
- Charles Martins (Museu Afro-digital)
17h | Apresentações Artísticas
- Maracatu Nação Raízes de Pai Adão

< voltar para home