Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Secretaria de Cultura

Gilú Amaral: Olinda nas veias e no som

Costa Neto/Cultura.PE

Costa Neto/Secult-PE/Fundarpe

Gilú Amaral não dispensa um pôr do sol no adro da Igreja de Nossa Senhora do Guadalupe

Bruno Souza

Criador da Orquestra Contemporânea de Olinda (OCO), que é, sem dúvidas, uma das grandes referências da música produzida atualmente em Pernambuco, Gilú Amaral, apesar da pouca idade – 31 anos, acumula em seu currículo a experiência de já ter tocado com vários nomes consagrados da cena musical de nosso Estado, como Mundo Livre S/A, Otto e Naná Vasconcelos.

Nascido Gilson Lúcio do Amaral Filho, o percussionista é um apaixonado pelas ladeiras olindenses. Também pudera: foi, nas ruas e nos terreiros de candomblé do Sítio Histórico da cidade, que aprendeu a tocar. “Como nasci e me criei aqui, minha maior referência sempre foi Olinda. O município é muito plural, respira cultura. Descobri a música nos idos anos 90. Tinha 8 anos. Minha escola foi a rua, os maracatus. Frequentei a casa de Mestre Salustiano, toquei com ele, passei pelo Maracatu do Camaleão, agremiação que já revelou muita gente. De lá pra cá, fui só aprimorando minha arte”, disse o músico, que, desde 2008, já rodou o mundo mostrando todo o suingue de nossos ritmos, ao lado dos seus companheiros da OCO.

Embora tenha passado por países como França, Portugal, Alemanha, Suíça, Bélgica, Itália, África e Estados Unidos, Gilú não hesita em dizer que o bairro do Guadalupe é o cantinho que mais gosta de ficar quando está de folga das apresentações da Orquestra. “O Guadalupe é um bairro muito cultural. Moro aqui e, sempre que posso, estou envolvido com as atividades e as festividades promovidas pelos moradores da comunidade. Fora isso, adoro contemplar o pôr do sol e a visão privilegiada do Recife que o largo da Igreja [de Nossa Senhora do Guadalupe] me oferece todas as tardes”, afirma o líder da OCO à série Meu Lugar na Cidade, do Portal Cultura.PE, que tem destacado a relação de afeto que os artistas mantém com os espaços das cidades de Olinda e Recife, nos próximos dias.

Leia mais:
Tereza Costa Rêgo: a pintora amante da folia e das procissões
Jomard Muniz de Britto: “ser contemporâneo é atravessar pontes”

< voltar para home