Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Literatura

Panorama

Pernambuco se destaca no Brasil como possuidor não apenas de uma importante tradição literária, como também de uma profícua produção contemporânea, que vem se traduzindo em prêmios importantes nos últimos anos, a exemplo do Jabuti, Prêmio São Paulo, Machado de Assis e Portugal Telecom.

Autores pernambucanos ou radicados no Estado, como Everardo Norões, Gilvan Lemos, José Luís Passos, Marcelino Freire, Raimundo Carrero, Ronaldo Correia de Brito, Samarone Lima e Sidney Rocha somam vários prêmios e têm suas obras traduzidas para diversos idiomas. Entre as escritoras, nomes como Jussara Salazar, Lucila Nogueira e Micheliny Verunschk destacam-se também pelo vigor de sua literatura e sua militância na crítica e na docência.

Recentemente, com a criação do Prêmio Pernambuco de Literatura, começa-se a perceber o surgimento de uma geração de ficcionistas e poetas com uma obra amadurecida e digna de nota. É o exemplo de Bruno Liberal e Wander Shirukaya, grandes vencedores das duas primeiras edições, que iniciam suas carreiras com o reconhecimento da crítica.

O Prêmio Pernambuco também serviu para colocar em evidência a forte produção literária difundida por todo o Estado, que prima pela diversidade, desde a poesia popular, cuja expressão refinada é cultivada com muita técnica e habilidade em áreas como os sertões do Pajeú e do Moxotó, até os gêneros de ficção, com dicções e temáticas diversas, desde o romance histórico a contos urbanos, com destaque para as cidades de Garanhuns e Petrolina.

Em se falando de polos literários, além da região do Pajeú, forte na poesia popular, destaca-se a região da Mata Norte, com um importante movimento de jovens poetas e ficcionistas com dicção urbana, que se utilizam tanto das redes sociais como implementam projetos editoriais independentes para divulgar suas obras.

No que diz respeito ao mercado editorial, ainda que não se compare, em escala, ao eixo Rio/São Paulo, algumas iniciativas editoriais vêm se destacando pela qualidade de suas publicações, seja no que diz respeito ao alto nível dos textos editados, seja por projetos editorais arrojados. O estado também é um dos polos mais importantes no Brasil do movimento cartonero, que produz livros artesanais com capas de papelão, modelo surgido na Argentina, no começo dos anos 2000, e que hoje conta com quase uma dezena de editoras em Pernambuco, distribuídas em todas as macrorregiões.

Outro reflexo do crescimento do setor produtivo é a quantidade de feiras e eventos literários que proliferam no estado, entre os quais se destacam a Bienal Internacional do Livro de Pernambuco e a Fliporto. Outros eventos como o Festival A Letra e a Voz, o Clisertão e o FIP – Festival Internacional de Poesia do Recife, além de diversas feiras literárias, saraus e encontros em todas as regiões, fortalecem a relação entre escritores e o público leitor, incentivando, em última instância, a leitura.