Pular a navegação e ir direto para o conteúdo

O que você procura?
Newsletter

Funcultura

Banda Revoltosa

Cidade: Nazaré da Mata
Atividade/expressão cultural: banda musical
Ano de registro de patrimônio vivo: 2013

Costa Neto

A Sociedade Musical 15 de Novembro, ou Banda Revoltosa, como é popularmente conhecida, foi fundada em 14 de janeiro de 1915, no município de Nazaré da Mata. A origem de sua organização, bem como de seu nome mais conhecido, está relacionada à união de membros dissidentes de outras duas bandas da cidade. A atitude dos músicos fundadores, considerada rebelde, atribuiu-lhes o rótulo de “revoltosos”, situação que acabou apelidando a banda.

O primeiro presidente da Revoltosa foi o Srº Francisco Salustiano Correia e seu primeiro maestro o Sr. João Alves Cantalice (Mestre Joquinha). Com instrumentos emprestados, a banda realizou sua primeira apresentação no dia 5 de novembro de 1915, na comunidade Lagoa Seca, hoje denominada Upatininga (pertencente ao município de Aliança). A data da primeira apresentação batizou o nome de registro para Sociedade Musical 5 de Novembro. A sede própria está localizada no centro da cidade Nazaré da Mata. Numa área de 1000m2, ocorrem várias atividades, como: educação musical para crianças e jovens da região, ensaios, oficinas; apresentações musicais; exibição de filmes, teatro, feira, workshop etc. Além disso, é possível encontrar na sede um vasto acervo de instrumentos musicais e vários documentos a respeito da história da banda, de seus regentes e executantes registrada em livros de atas, imagens, recortes de jornais e publicações de periódicos.

Em quase um século de existência, a Banda Revoltosa encontra-se em atividade musical ininterrupta participando de desfiles cívicos e religiosos, encontros de bandas de músicas dentro e fora do Estado, concertos em escolas públicas de Nazaré e em cidades vizinhas, shows durante o carnaval.

Dentre vários projetos executados e em execução, vale mencionar o projeto Ponto de Cultura Revoltosa, iniciado em 2008, financiado pelo convênio entre MinC e Fundarpe e que promove a formação de vários jovens músicos da região para: maracatu; ciranda; coco; bandas marciais e grupos musicais promovendo assim a perpetuação de toda a riqueza cultural existente no Estado de Pernambuco. Foi intitulada Patrimônio Vivo de Pernambuco em 2013.